quarta-feira, 13 de março de 2013

ATENÇÃO DOCENTES: PROPOSTA DA GALILEO PARA AVALIAÇÃO COLETIVA

Recebemos por mensagem eletrônica da Galileo Educacional a proposta que segue abaixo. Recomendamos, também, que seja lido o comunicado da mesma Mantenedora no site oficial da UGF, e que se pondere sobre a coerência dos discursos:



Prezado Professores

Inicialmente registramos nossos sinceros agradecimentos pela paciência neste momento tão delicado.

Ressaltamos que estamos trabalhando arduamente na reestruturação das instituições e, certamente, precisamos contar com a ajuda imprescindível dos nossos professores.

Diante do exposto, segue em anexo, a programação de pagamentos dos salários docentes para todo o exercício 2013, inseridos neste contexto o décimo terceiro e o adicional de férias em atraso relativos a 2011, 2012 e 2013.

Cordialmente,

GALILEO EDUCACIONAL
   Diretoria Executiva



34 comentários:

  1. Que piada... acho que o colega acima não entendeu a proposta,de abril a agosto eles receberia metade do salário... seria engraçado se não fosse trágico....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, tb acho que ele não entendeu!!!

      Excluir
    2. Eu entendi, vcs q nao entenderam o meu sarcasmo

      Excluir
  2. Prezados, boa tarde.
    Hoje, dia 13.03, há reunião com os docentes da UGF; amanhã, com os da UniverCidade. Estão todos sob a mesma direção, com problemas e interesses comuns. Enquanto as soluções forem tomadas separadamente, o corpo docente continuará com forças reduzidas... Essa situação vem arrastando-se há anos, sem FGTS, INSS, etc. É necessário convergência, não pseudo-soluções.

    A função do Sindicato dos Professores e da ADGF é promover a classe dos professores junto à sociedade, retomando seu prestígio largamente perdido. Muitos fazem greve reivindicando melhores salários e condições de trabalho; outros, por posicionamentos políticos. A proposta dos professores é mínima: pagamentos de salário. Se, por um lado, essa perspectiva evita a alcunha de “greve de baderneiros”; por outro, essa postura apequenada se reflete na forma de negociação da grande instituição junto aos “pequenos” professores.

    Continuaremos com problemas no ensino e na infraestrutura, de falta de pessoal de apoio à falta de elevadores. É preciso um plano institucional, do qual os professores, embora tenham papel fundamental, estão alijados de qualquer debate. Um plano institucional nunca apresentado, um planejamento estratégico inexistente. A cultura institucional deste grupo e da cúpula de comando está desgastada: como cobrar presença do aluno em sala, se ele responde “nosso Diretor não foi à CPI, por que preciso estar sempre em sala?”. Ao que parece, mudam-se os nomes dos mantenedores, mas o processo decisório continua com aqueles que sempre o tiveram.

    A UGF, por exemplo, perdeu uma grande oportunidade de evitar que isso acontecesse quando a instituição decidiu não recolher mais as verbas devidas aos funcionários. A época de reorganização era aquela, quando excelentes quadros de diversos cursos foram demitidos, semestre após semestre; a consequência da permissividade é a permanência desse quadro aos dias atuais. Agora que as duas instituições estão em greve, com apoio dos funcionários e do alunado (embora alguns centros não afirmem expressamente), dividir as assembleias é dividir a força...

    Deve-se usar o fato histórico da CPI do ensino superior. Nesse momento, o relator está elaborando não apenas um diagnóstico dessa situação, mas, principalmente, as linhas futuras para a possibilidade de continuidade dessas instituições. É hora de trazer a CPI para a casa dos professores, na figura dos seus grandes interlocutores, o presidente Paulo Ramos e o relator Robson Leite, cujos partidos tem histórica atuação em temas educacionais. Com a sociedade a favor dos professores (e funcionários), conseguir-se-á, aos poucos, recuperar o prestígio e a confiança no ensino, recebendo novos alunos; ao contrário, se uma greve de 2 dias sair frustrada mais uma vez, a classe sairá ainda mais desgastada, a instituição cada vez mais sem prestígio e os cursos, aos poucos, vão definhando, numa ação coordenada: cada vez sem alunos, cada vez mais demissões. O apoio do Poder Legislativo é fundamental, principalmente para o futuro da UGF e da UniverCidade, para o futuro dos alunos, para a manutenção do emprego dos funcionários, independentemente dos mantenedores dessas instituições.

    Decisões importantes e Informações relevantes não têm a participação dos professores. Os gestores não comparecem e não esclarecem situações a CPI do ensino superior. Se UGF e UniverCidade se posicionarem e tiverem apoio, pode-se evitar o que aconteceu com outras instituições como a Bennet e a Santa Úrsula. Isso não é um pedido utópico de “professores, uni-vos”, é um pedido de reflexão, de apoio e de soluções e decisões pragmáticas para problemas recorrentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bonito ler estas palavras "Muitos fazem greve reivindicando melhores salários e condições de trabalho; outros, por posicionamentos políticos. A proposta dos professores é mínima: pagamentos de salário. Se, por um lado, essa perspectiva evita a alcunha de “greve de baderneiros”; por outro, essa postura apequenada se reflete na forma de negociação da grande instituição junto aos “pequenos” professores."
      Principalmente, greve de baderneiros, pois os mesmos baderneiros, somos nós os alunos, SÃO os que estão pagando a Galilei mensalmente, NÓS os alunos temos o direito de insistir, de lutar, de mostrar a face e junto aqueles que fazem parti de nossas vidas ,dar apoio, e somar forças com os nossos mestres.
      obs: NÃO FAÇO PARTE DE POLITICA E NÃO REALIZO BADERNA, só quero o que é meu por direito, e não esta sendo executado. Sou aluna do 4ªp de fisioterapia, e quero ter aulas.

      Excluir
    2. Eu aluna do 8° período de Enfermagem,concordo integralmente com minha colega do comentário anterior,não somos baderneiros,apenas estamos exigindo nossos direitos,pois se fazemos nossa parte de pagar as mensalidades em dia,o mínimo que podemos exigir são nossas aulas.O que seria da Galileu,sem o dinheiro desses "baderneiros" hein?.

      Excluir
  3. Espera um momento...
    Analisando aqui. A situação está horrível. Ainda se fala dos salarios atrasados de Janeiro e Fevereiro. Ate Agosto (2/8) so seria pago metade do salario, então vc está me dizendo que 4 dias depois de terem pago 50% de um salario eles ainda vão ter dinheiro suficiente para pagar um salário e meio (que daria 150%)? Quer dizer que, agora eles só podem pagar meio salario, mas em Agosto magicamente eles vão poder pagar dois em uma semana?
    Como isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... mais uma maneira de enrolar os docentes.. Já prometeram várias datas anteriores e não cumpriram...Acordem docentes!!!

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Espero que tomem a decisão correta, nós alunos estamos sofrendo com a greve, mas não adianta resolver um lado e o outro continuar na mesma, a infraestrutura da gama filho está deprimente, continuaremos sem elevador, salas de aula sem ar condicionado, investimento nos laboratórios, limpeza dos banheiros, etc.

    ResponderExcluir
  6. Acredito que a análise atual´que deve ser feita,refere-se a viabilidade do calendário de pagamento dos salários para retorno as aulas e não outras questões .Vamos acreditar e discutir a proposta em Assembléia.É lamentável observar este cenário de uma IES privada em greve....

    ResponderExcluir
  7. http://oglobo.globo.com/rio/crise-financeira-poe-em-risco-formacao-de-estudantes-na-gama-filho-na-univercidade-7822817

    ResponderExcluir
  8. Estou preocupada pois acabo de entrar na Gama Filho e encontro essa situação já paguei 3 mensalidades e ate hj nao tive aula. Estou com medo de perder meu dinheiro. Será que vou ter que pedir ele de volta e procurar outra instituição? Gostaria muito que alguém me ajudasse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique tranquila que tudo será resolvido. Já estamos obtendo alguns resultados positivos. Fique calma.

      Excluir
    2. Bem vinda, e acostume-se, pois ultimamente as greves sao comuns na ugf e nem podemos deixar de pagar mesmo nao tendo aula, se isso durar ate mes q vem por exemplo, teremos q pagar de novo sem ter tido 1 aula se quer

      Excluir
    3. Luana,já que você entrou agora,aproveita que ñ perdeu muito dinheiro e procure outra Instituição,pois eu no seu caso tomaria essa decisão; meu caso é mais complicado porque estou no último período de Enfermagem,e agora nem sei se vou conseguir me formar;depois que essa Galileu passou a administrar a Universidade Gama Filho ,o caos se instalou de uma forma que deixou nós alunos muito pessimista sobre o Futuro da Gama filho.Saia enquanto é tempo

      Excluir
  9. Cara Luana, a situação é grave. A Galileo, manteenedora não está pagando aos docentes e aos funcionários, embora tenha recebido de vocês. As aulas que forem comprometidas com a greve deverão ser repostas por um calendário acadêmico refeito. Sigamos juntos!

    ResponderExcluir
  10. Ficarei aguardando e torcendo para tudo se resolver da melhor forma. Obrigada!

    ResponderExcluir
  11. É um absurdo essa proposta. Está na cara que eles querem ganhar tempo. Não existe isso de ganhar metade do salário. Eles vão trabalhar só metade da carga horária também? Os alunos estão sofrendo com essa greve. Minhas mensalidades estão em dia e eu me sinto lesada ao não receber pelo que eu paguei. Por favor Galileu, apresente uma proposta decente, e não ofensiva como esta.

    ResponderExcluir
  12. olá gostaria de saber o resultado da assembléia de hoje, e se amanhã haverá aula!

    ResponderExcluir
  13. Alguém sabe o que deu a assembléia?

    ResponderExcluir
  14. Queria ter ido mas a chuva não me possibilitou... espero que tenham chegado a um senso comum. Acho que a administração tem que pagar 100% do salário dos professores, mas também acho que a Gama Filho tem um nome a zelar e os professores são a grande engrenagem que mantem funcionando a tão esforçada obra do Ministro Gama Filho.

    Se fosse um professor, aceitaria a proposta enviada somente se o Grupo Galileo realmente mostrasse que não há como pagar. Mostrando valor entrado e para onde foi direcionado todo esse dinheiro e porque...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto a situação financeira atual vale pontuar os seguintes fatos, a Galileo Educacional é um grupo formado pelo advogado Márcio André Mendes Costa, que deixou as universidades adquiridas em caos. Em seguida no final de 2012 a Galileo foi adquirida por um novo acionista que tenta levantar as instituições, quanto a dívida acho esse link interessante: http://www.pnbe.org.br/em-crise-universidades-particulares-do-rio-tem-divida-de-r-900-milhoes.html e em relação ao novo empreendedor segue a página do mesmo: http://www.adenorgoncalves.com.br/

      Excluir
    2. Diante de toda essa situação, acho a proposta não tão absurda quanto seria sem esses fatos. Cabe aos interessados avaliar a viabilidade de acordo.

      Excluir
  15. Acho que vou fazer o mesmo que muitos estão fazendo, vou trancar a minha matrícula e procurar outra faculdade, só lamento perder esse período que vai atrasar a minha formatura e depois para tentar reaver meu dinheiro vou entrar com processo de contra a GALILEO EDUCACIONAL de estelionato por continuar recebendo as mensalidades embora não esteja oferecendo o curso, pois já paguei 3 mensalidades de 2013.01 e até agora não tive nenhuma aula, em breve vence o mês 4 e eu não tenho coragem de investir mais R$1040,00 numa faculdade que está a beira da falência.

    E se fosse os senhores faria o mesmo, para que o prejuízo não seja maior ainda, o meu prejuízo até o presente está em 3120,00

    ResponderExcluir
  16. Os professores irão receber METADE do salário de JUNHO/2013 em JANEIRO DE 2014 !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Esse povo é sem noção !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não querida eles vão receber metade de janeiro de 2013 em junho de 2013, a questão não é essa, isso é novo golpe. Os professores iram trabalhar e quando chegar em junho acontecerá tudo de novo, Eles só querem mais tempo, pra ir ganhado mais nosso dinheiro.

      Excluir
    2. E a metade do salário de Junho/13 em janeiro de 2014! Está na tabela !

      Excluir
  17. Até porque nao estamos pagando 50% da mensalidade !

    ResponderExcluir
  18. Isso é picaretagem da mais rasteira: eles querem deixar a situação piorar para poder contar com uma intervenção do Estado (MEC ou BNDES ou simplesmente o perdão das dívidas) e depois ficar com uma instituição limpinha para então lucrar montes ou vender para outro grupo...

    ResponderExcluir
  19. Caros professores, queiram também trabalhar !
    Exigem respeito da Galileo mas não possuem esse mesmo respeito para com os alunos que verdadeiramente querem estudar !
    Se a situação é ruim para vocês, também está ruim para nós. Mudei de longe para realizar meu sonho de cursar medicina, chego aqui e encontro essa palhaçada bilateral !
    Mais respeito, por favor.

    ResponderExcluir