quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Feliz Natal, docentes e funcionários da UGF

Chegamos ao Natal de 2014. Para funcionários e docentes da UGF é ainda motivo de preocupação. Grande quantidade de companheiras e companheiros permanecem desempregados. O uso da transferência assistida para a contratação de docentes teve efeito reduzido sobre o impacto provocado pela decisão errada do descredenciamento, como punição à má administração dos gestores, desde a família Gama e Levihnson, passando por Márcio André Mendes Costa a Adenor Gonçalves dos Santos, e seus prepostos nas direções executivas da inescrupulosa Galileo Educacional.  O erro do MEC foi apostar em desvencilhar-se de uma responsabilidade fundamental: cuidar da educação! Desistiu da respnsabilidade de itervir e optou pela negligência do descredenciamento. Docentes e funcionários da educação não contam em uma concepção mercantilizada da educação. Educação não é mercadoria, é direito. De qualquer modo, devemos ter em mente que é mais um renovo, mais um Natal, mais fôlego para nossas lutas, esperanças e sonhos em contribuir para a radicalização da democracia, a construção de conhecimentos e aprendizagens significativas, que possam tornar melhor e sustentável a sociedade e o mundo no qual vivemos. Nossas ações na justiça hão de alcançar o sucesso merecido, e, quem sabe, o governo estadual decidindo desapropriar o terreno da UGF em Piedade, crie condições de saldar as dívidas trabalhistas para conosco. É tempo de avançar com a metáfora do Menino Deus, que vem em um mundo no qual sofre a injustiça da perseguição dos inocentes e avança como aquele que indica que não há justiça sem misericórdia, sem que as entranhas do coração nos façam enternecer e amar, desbragadamente, em favor da Vida. Feliz Natal!

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Vocês docentes foram os únicos responsáveis pelo descredenciamento da UGF, pois ao invés de entrarem com pedido de Rescisão Indireta no Ministério do Trabalho por não estarem recebendo seu salário pontualmente, optaram por fazerem GREVE e ainda incentivaram os ex-alunos da Gama Filho a participarem de passeatas reivindicando a INTERVENÇÃO DO MEC para uma improvável FEDERALIZAÇÃO! Ações estas que culminaram no descredenciamento desta Universidade. Seria muito bom virar funcionário público sem concurso não é? Não acredito que o Governo do Estado desaproprie o CAMPUS DE PIEDADE e realmente torço para que isso não ocorra pois VOCÊS NÃO MERECEM!!! ARQUEM AGORA COM AS CONSEQUÊNCIAS!!!!! HAHAHAHAHA!!!!!

    ResponderExcluir