quarta-feira, 10 de julho de 2013

ESCLARECIMENTO FUNDAMENTAL SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL

Como todos sabem, a comunidade de docentes e a ADGF têm agido em favor da normalidade da vida acadêmica, na sua tríplice dimensão: docência, pesquisa e extensão. Esta ação inclui a luta por direitos dos docentes, mas se amplia na conquista da efetividade da autonomia acadêmica, da participação dos órgãos colegiados e no apoio às atividades acadêmicas. Considerando o exposto, cabe esclarecer:

1. O cumprimento do Termo de Compromisso, como sabe a comunidade acadêmica que participou da reunião da Mesa Paritária, no MEC, em Brasília, é condição sem a qual a vida acadêmica regular fica comprometida;
2. Estava anunciado desde abril, quando retomada as aulas que os docentes estarão em 2013 em permanente estado de greve e que o descumprimento do Termo de Compromisso pode levar a deflagração da greve;
3. Considerando o bem-estar da comunidade acadêmica, a conclusão do semestre, o vestibular 2013.2 em curso, os docentes em Assembleia, por bom senso e compreensão, entenderam que deveriam conceder ainda mais um período solicitado pela direção da Galileo para o cumprimento do atual item do Termo de Compromisso;
4. O próprio MEC, que mantém a intervenção sob a Galileo e as IES Centro Universitário da Cidade e Universidade Gama Filho, exigiu a manifestação da Galileo sobre o atual distúrbio;

Por conseguinte, cabe expressar à comunidade acadêmica que caso seja necessária a greve ela é instrumento legítimo de negociação dos docentes, que estava previsto desde a assembleia de abril. ESPERAMOS TODOS QUE A SOLUÇÃO QUE A GALILEO OFERECERÁ PARA A SOLUÇÃO DO ATUAL IMPASSE NOS PERMITA MANTER DILIGENTEMENTE A CONCLUSÃO DO SEMESTRE EM CURSO E OS PROCESSOS PARA 2013.2.

46 comentários:

  1. Professores, dou meu total apoio à qualquer atitude tomada contra esse grupo de hipócritas e ladrões da Galileo. Está bem claro que eles estavam esperando terminar o semestre pra manter os atrasos, e sei que grande parte dos professores depende dos salários pra viver, então têm todo o direito de protestar, assim como qualquer trabalhador que não recebe salário... Cabe a nós alunos tomar alguma atitude contra esse grupo, mostrar nossa indignação..

    ResponderExcluir
  2. ALGUÉM SABERIA ME RESPONDER O QUE ACONTECE COM OS ALUNOS SE A GALILEU (GAMA FILHO) FALIR????

    gosto muito da UGF mais estou muito preocupado com minha formação.

    ResponderExcluir
  3. A ADGF ESCLARECE QUE INEXISTE NENHUMA INFORMAÇÃO CONSOLIDADA SOBRE FALÊNCIA DA GALILEO EDUCACIONAL. ESSA ESPECULAÇÃO É INDEVIDA.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. É lamentável, estou no oitavo período e não sei como proceder!
    Esta faculdade já virou uma bagunça, um total desrespeito com alunos e professores....
    Com certeza este vai ser meu ultimo período nesta instituição.

    ResponderExcluir
  6. Sou formado pela UGF e professor. Nestas condições me permito afirmar:embora a greve seja um nosso direito, pela recorrência da situação, A GREVE NÃO É O CAMINHO MAIS INTELIGENTE, pois a cada paralisação menos alunos ingressarão na UGF e mais alunos a deixarão, o que obviamente já está levando a instituição a INSOLVÊNCIA. Mais eficaz seria a uma AÇÃO COLETIVA pelo BLOQUEIO E PENHORA DOS BENS DA GALILEO E SEUS SÓCIOS para pagamentos dos passivos trabalhistas. É isso ou daí prá pior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo plenamente.

      sou aluno e muito contra vontade estou pensando seriamente em pedir transferência.

      Excluir
    2. eu ainda acho que a gente tinha que lutar com todas as forças pra tirar a Galileo do comando. Qualquer um no momento é melhor do que este grupo, qualquer um, cade o MEC? Cade a nossa manifestação??
      Digo, se o Rio parou por causa de "20 centavos", que na verdade foi muito além disso, por que nós não podemos parar por causa do "atraso salarial"? Que também vai muito além disto?

      Excluir
    3. Prezado, Arnaldo.

      Estes senhores já não estariam precavidos a este respeito e colocaram seus bens em nome de outras pessoas? Quanto tempo levaria uma ação como está? Teria a brevidade suficiente para que nossos credores não fizessem o mesmo com a gente? Outrossim, as taxas de serviço (água, luz e gás)poderiam ser pagas no final deste processo sem que os fornecimentos fossem cortados?

      Excluir
  7. Fala Cacilda, chupa, tem que aturar. Cadê vc agora, escrota ?????????????

    ResponderExcluir
  8. Também já estou pensando em uma transferência, contra a minha vontade pois gosto muito dos professores e do ambiente; mas na situação que se encontra, minha formação está comprometida, se continuar desse jeito, certamente será meu último semestre nessa insituição..

    ResponderExcluir
  9. Greve no final de 2013.1? Acho justo o estado de greve, mas acho que se isso se concretizar antes do termino do período corrente(que já está para acabar) será uma tremenda falta de respeito do grupo docente com os alunos da instituição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente.
      Tendo em vista de que o período já começou atrasado. Entendo a falta de respeito da Galileo com os professores, porém, acredito eu que a maioria dos alunos estão com a mensalidade em dia, com isso, acho uma total falta de respeito com o corpo docente para com os alunos em "repassar" o problema para nós alunos.
      Na greve no início do ano, os professores tiveram nosso apoio, mas com outra greve no mesmo período e a apenas 1 mês para acabar o semetre 2013.1 os professores não terão o mesmo apoio.

      Excluir
    2. Prezados, Rafael e Paulo César. Vocês assinaram um contrato com a Galileo no qual esta se comprometia a lhes prestarem serviços educacionais. Para fazerem isto assinaram um contrato com cada professor. Algum professor assinou contrato com vocês? Então, qual a razão lógica, formal e econômica do desrespeito e do repasse contestados? A Galileo desrespeitou o professor e o aluno. Recebeu o dinheiro de voces e não repassou ao professor. Porém, o respeito à dignidade do aluno exige que o professor se conduza de modo integro e cumpra seu papel social. Durante anos entramos em sala de aula com meses de atrasos salariais. Raríssimas foram as ponderações de alunos exaltando tal abnegação. Significa que o aluno sempre teve o apoio do professor, que contrariou a lógica e a economia. Acredito que soluções consensuais podem ser alcançadas preservando a liberdade e os demais direitos de todos.

      Excluir
    3. Caro Marcelo, os professores tem os meios legais para correr atrás de seus direitos. O que não é justo, é o fato de em um período acontecerem DUAS greves sendo que nossa mensalidade está em dia. Entendi e aceitei a primeira greve, mas a segunda já é demais. Vocês (professores) pretendem ficar durante sabe-se la quanto tempo, nessa rotina, nessa angústia de saber se vão ou não receber? Acredito eu que não. E a UGF não é a única instituição de ensino superior do estado do rio de janeiro. Então, sabendo que qualquer dia vocês podem deixar de receber, por que motivo não abandonam a UGF e corram atrás de seus direitos legalmente falando? Por que insistem em dar aula em uma instituição "falida"?

      Agora tentem vocês entender a nossa situação. Alguns com filhos e esposa em casa, indo pra faculdade após um dia de trabalho, apenas almejando terminar a faculdade. E se deparam com DUAS greves em apenas UM semestre. Sendo que algumas pessoas estão se esforçando ao máximo para pagar as mensalidades em dia. Ai eu te pergunto, qual motivo nós temos para apoiar essa greve? Não sejam egoístas, deixem que terminemos nosso período em paz, é isso o que queremos. Pois se sairmos da UGF agora, atrasaremos 1 ano e meio a nossa formação.

      Excluir
    4. Prezado Paulo César. Você assinou um contrato com a "Galileo", não foi? Então deve buscar esclarecimentos junto a Galileo que é a contratada e não com os professores que prestam serviços a contratada. Filhos e esposa grande parte dos professores os tem....quem trabalha quer receber pelos serviços prestados.

      Excluir
  10. Se for para ter greve que batam logo o martelo! Eu trabalho a semana toda, tenho mulher e filhos para me dedicar! Não posso mais perder tempo com esta instituição.
    Não vou ficar me matando de estudar durante o final de semana, sem nem saber se vai ter prova.

    Ressalto novamente: desrespeito com alunos e professores.

    ResponderExcluir
  11. Fato é: NEM RELÓGIO TRABALHA DE GRAÇA!
    Todos têm seus compromissos, direitos e deveres. Precisa existir uma linha tênue. E, infelizmente, quando não há um equilíbrio, tudo desanda. É lamentável o que nós, alunos, estamos passando, mas, não podemos ser tão egoístas e não pensar no lado dos professores. Pensamos, constantemente, em soluções para ambos os lados.
    Será que a falência seria o jeito? Será que todos os patrimônios da mantenedora ressarciriam os prejuízos aos professores? Será que os alunos seriam remanejados? A quem devemos recorrer?

    ResponderExcluir
  12. Um de meus professores sugeriu uma alternativa à não aplicação de provas: aplicá-las mas não liberar as notas para o sistema. Desse modo, a rematrícula não ficará liberada para ninguém e nenhum aluno poderá pagar as mensalidades. Assim, somente a instituição, que é quem REALMENTE prejudica aos professores, será afetada. Assim os alunos não serão ainda mais destruídos por esse semestre tão conturbado e os professores conserguirão, ao mesmo tempo, pressionar a Galileo. Desta forma, ainda, mantendo o respeito ao corpo discente, os docente recuperarão nosso apoio a qualquer outro movimento. Favor considerar.

    ResponderExcluir
  13. Não sei se seria uma boa alternativa, visto que: se não lançar a nota no sistema o aluno vai virar ‘’refém’’ desta instituição, isto pode durar muito tempo, e se não tem nota lançada o período não acabou..
    Os alunos não poderão nem pedir transferência para outra instituição.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mais se continuar assim, nem a prova vc vai fazer.

      vai parar tudo.

      Excluir
    2. Sem provas vc tb não conclui o semestre. Não pode nem sair da cidade, nem transferir nem nada. Infinitamente pior, não? Não se esqueça dos alunos de cursos que não podem se tranferir, por não existirem vagas/provas em outras IES. Daí seriam mais prejudicados ainda. Sinceramente, acho que todos estamos prejudicados e acredito, assim como alguns de meus professores, que esta solução de não lançar notas seria o menor prejuízo que teríamos. As notas, afinal, seriam lançadas - depois que a IES completasse os pagamentos devidos. Não se esqueça que grande parte dos alunos sequer é do Sudeste, quiçá da cidade do RJ e não voltam para casa há meses. Não podemos ficar ainda mais instáveis.

      Excluir
  14. Rocha,
    Tem horas que eu não acredito que estamos passando por isso( Alunos e professores).
    Sem palavras.. Lamentavel.

    ResponderExcluir
  15. Sou favorável a aplicação de provas e só postar a nota em caso de regularização dos salários de Junho.

    Ficar esperando o pagamento pra ai sim marcar novamente a A2 quebra totalmente o ritmo de estudos, sem contar que existe o risco de alguem não conseguir saber do reinicio das atividades em tempo hábil de estudar e até mesmo comparecer as provas, por N motivos.

    Apoio a greve porque ninguém trabalha de graça, agora deixar de aplicar prova é prejudicar as unicas pessoas que estão ao lado dos professores nesse problema.

    ResponderExcluir
  16. Não entendo vcs, semestre passado, passei para outra IES e continuam nessa porcaria de faculdade? Kkkkk. Voltei algumas disciplinas, mas tenho garantias que terminarei meu curso. Estão jogando dinheiro no lixo, perdendo tempo com uma faculdade falida e sem prestigio no mercado. Só burro, continua nessa. E pelo visto, tem um monte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb nao te entendo. Se vc passou pra outra IES devia esquecer esse link e seguir sua vida.

      Excluir
    2. Tb nao te entendo. Se vc passou pra outra IES devia esquecer esse link e seguir sua vida. [2]

      Excluir
    3. j2aguiar, ao contrário de vc eu não posso sair desta instituição, so bolsista do PROUNI, para sair mantendo minha bolsa, dependeria de vagas em outras instituições de ensino, sem contar a questão burocrática das outras IES que fazem vc perde várias matérias já cursadas. Então, não generalize e ofenda as pessoas pq o seu caso pode ser completamente diferente de um grande número de pessoas. Tenho amigos que sairam pq já estavam atrasados, porém tenho vários, que assim como eu, estão no penúltimo ou último período de curso.

      Excluir
  17. É lamentável mesmo essa situação,eu pego minhas mensalidades sempre em dia,e tenho certeza que os demais alunos também,como pode a Galileu não pagar os professores? Não quitar suas dividas,para onde vai esse dinheiro? fico indignada. Gostaria muito que ao menos esse periodo fosse fechado.

    ResponderExcluir
  18. No início do período apoiamos e lutamos em prol dos professores... Nada mais justo do que o corpo docente ter o bom senso e pensar um pouco nos alunos. Pois nessa situação, eles prejudicarão não só a mantenedora, mas também os alunos, principalmente os que querem sair, mas dependem do fechamento do período...
    Para deixar bem claro!!! Eu apoio a reivindicação dos professores, tem que receber o que é seu de direito, sou contra a grupo Galileo como mantenedora, mas acho injusto com os alunos decretar greve no final de um período!!

    ResponderExcluir
  19. Alguma novidade sobre o pagamento ???

    ResponderExcluir
  20. Por favor ADGF nos informe sobre o andamento da situação.

    ResponderExcluir
  21. Essa Galileo é muito esperta... A intenção é bem clara, sugar o máximo e depois decretar falência para que daí outra mantenedora entre na jogada... São tudo um bando de corruptos, infelizmente as leis não nos ajudam a tirar esses caras daí... Na verdade a Gama Filho já não é a mesma desde que ela caiu nas mãos dos filhos, não preciso nem falar o quanto o Paulo Gama filho sugou dessa universidade...

    A estratégia da Galileo agora é clara, não pagar para professores entrarem em greve e ferrar com a vida dos alunos já que é final de período... Por que? Colocar alunos contra professores!
    O bom é que ainda existem professores que enxergam isso!

    ADGF, NADA CONTRA, MAS PARA DE LAMBER O SACO DESSES CARAS E NÃO CAIA NA ARMADILHA DELES...

    ResponderExcluir
  22. A ADGF, com a mobilização dos docentes, conquistou um acordo que trouxe o pagamento de salários, eleições para os órgãos colegiados; negociações diretas com Mantenedora, Prefeitura e Reitoria; a intervenção do MEC, com participação em Mesa Paritária, em Brasília... e tem colega que diz que a ADGF está curvada aos interesses da Galileo: é cegueira, má-vontade ou só estupidez?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu tá de sacanagem? Fala asneira não...

      Excluir
    2. A ADGF CONSEGUIU? VC CONSUMIU FEZES? OS ALUNOS DE MEDICINA CONSEGUIRAM NEGOCIAÇÕES E ESPECIALMENTE INTERVENÇÃO DO MEC! PARTICIPAÇÃO DA ADGF FOI NULA!

      Excluir
    3. Ha ha ha...a ADGF esteve presente nas manifestações? NAO. Algum representante da ADGF foi a Brasília reivindicar? NAO. A ADGF vem ao longo do período, já que tem um relacionamento estreito com a Galileo, pedir segurança, melhoras nos campus? NAO. Faça-me o favor, né?!

      Excluir
    4. Não entendi ainda como a Moderação do Blog não retirou os comentários acima. Certamente, para aproveitar a incapacidade argumentativa das postagens. Sobre as conquistas que a ADGF teve, juntamente com Sinpro-Rio, Sinmed e Camed, basta ler as postagens anteriores e posteriores à greve.
      A ADGF e este blog tem sido acompanhado diretamente pelo MEC, o que significa que a ADGF está comprometida com a excelência acadêmica da UGF. Além disso,não há, nem nunca houve, nenhuma animosidade entre a ADGF e o CAMED, bem como com os demais CAs e o DCE. Diga-se, en passant, que a constituição de CAs e do próprio DCE teve apoio explícito da ADGF e deste diretor da ADGF que escreve aqui.
      Sobre as questões referentes a limpeza, segurança dos campi (Piedade e Centro), bem como sobre demandas para materiais dos cursos de saúde, dos cursos de engenharia, e o processo de reversão de demissões de funcionários da reitoria e de professores do curso de Medicina, em todas estas ações, a ADGF estava lá e fez valer os direitos devidos.
      Há muitas dificuldades, e não é fácil lidar com elas. Exige muito esforço pessoal e coletivo. Além de muita seriedade e disciplina, para se manter como docente, pesquisador, agente multiplicador do papel social da Universidade, e estar na condição de dirigente da associação de docentes.
      Ao fim e ao cabo, cada diretor e diretora da ADGF sabe estar prestando um serviço à comunidade acadêmica. Serviço para o qual fomos eleitos.
      Atenciosamente, Jorge Atilio Silva Iulianelli, Secretário Geral da ADGF.
      P.S.: Dentre outros eventos, em nome da direção da ADGF, com ou sem outr@s companheir@S da direção, estive na reunião em Brasília, acompanhei as visitas dos interventores do MEC, acompanhei a CPI das IES promovida pela ALERJ, estive em manifestações de estudantes da UGF e conduzi, com outros docentes, manifestações dos docentes e assembleias gerais. E vocês, caros alunos que postam coisas como aquelas, onde estavam?

      Excluir
    5. A ADGF esteve presente, junto ao Sinpro-Rio e Sinmed, no que era relativo às demissões e atrasos salariais. O que me irrita, especialmente por morar num país onde vemos constantemente políticos se apropriarem das conquistas alheias, é você dizer que a ADGF conseguiu a intervenção do MEC, que esteve em Brasília. Essas são conquistas que se devem única e exclusivamente ao esforço hercúleo dos alunos, especialmente os de Medicina. E respondendo à sua pergunta, eu estava em todas as manifestações e juntando todas, não conto 5 professores nelas.

      Excluir
  23. Tem que unir alunos e professores e manifestar de alguma forma... To vendo a maioria dos alunos só reclamando e não querendo manifestar... Vamos protestar galera, os banheiros da faculdade hoje estavam pura lama, bibliotecas fechadas, uma merda...

    ResponderExcluir
  24. Bom dia, gostaria de saber se houve o pagamento por parte da Galileu, quanto antes puderem me informar eu agradeço, eu teria prova hoje, só dependo do cumprimento de pagamento ou não da Galileu, para que a prova seja confirmada.

    ResponderExcluir
  25. "Gineco Terça10 de julho de 2013 11:10
    Um de meus professores sugeriu uma alternativa à não aplicação de provas: aplicá-las mas não liberar as notas para o sistema. Desse modo, a rematrícula não ficará liberada para ninguém e nenhum aluno poderá pagar as mensalidades. Assim, somente a instituição, que é quem REALMENTE prejudica aos professores, será afetada. Assim os alunos não serão ainda mais destruídos por esse semestre tão conturbado e os professores conserguirão, ao mesmo tempo, pressionar a Galileo. Desta forma, ainda, mantendo o respeito ao corpo discente, os docente recuperarão nosso apoio a qualquer outro movimento. Favor considerar."
    ----------------------------------------

    Eu vi essa publicação e resolvi comentar, o semetre tem 6 meses e a ultima parcela paga do semestre foi a de junho, se não me falha a memoria eles ja enviaram o boleto da rematricula do mês de julho.

    ResponderExcluir